Carlos Louro inicia novo mandato à frente do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca

Sexta, 16 julho 2021

Carlos Louro inicia novo mandato

à frente do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca

 2107 carlos louro inicia novo mandato02 2107 carlos louro inicia novo mandato03 2107 carlos louro inicia novo mandato04 2107 carlos louro inicia novo mandato05 2107 carlos louro inicia novo mandato06

O Diretor do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca, Carlos Louro, acaba de tomar posse para mais um mandato na liderança escolar no Concelho.

Devido aos condicionalismos da pandemia, a sessão presencial conheceu algumas limitações, contando apenas com a presença dos membros dos Conselhos Geral e Pedagógico e ainda do Presidente da Câmara Municipal.

Na sua intervenção, Carlos Louro fez o balanço do trabalho realizado e apontou as prioridades de ação para o futuro, assumindo o compromisso de, com o apoio de todos, corresponder às expetativas e não defraudar a confiança que nele depositaram.

Todos juntos – comunidade escolar, instituições e forças vivas –, seremos capazes de cumprir os desígnios do nosso projeto educativo e afirmar o nosso lema: “Transformar Vidas, Alimentar Sonhos, Projetar Carreiras”.

Augusto Marinho, por sua vez, manifestou todo o empenho da Autarquia em continuar o trabalho profícuo de parceria com o Agrupamento, porque o que está em causa é a formação das nossas crianças e jovens e a melhoria da qualidade de vida no nosso Concelho.

O Presidente da Câmara Municipal aproveitou ainda para se congratular com o excelente trabalho que tem sido desenvolvido pelo Agrupamento, felicitando o Diretor e agradecendo a todos quantos dão o melhor do seu esforço e entusiasmo a este projeto.

 

Validade do Projeto: competência e compromisso

Centrando-se no que aconteceu no último mandato, Carlos Louro disse ter-se tratado de tempos muito difíceis. Numa primeira fase, apostámos numa transformação gradual da Escola, afirmando a autonomia e novos “modos de fazer aprender” e fazendo a apropriação curricular do “Perfil do Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória”, da “Autonomia e Flexibilidade Curricular”, da “Escola Inclusiva” e das “Aprendizagens Essenciais”.

Até que, em março de 2020, surgiu o tempo estranho da Covid-19, com os seus múltiplos desafios, como a implementação do ensino não presencial e o distanciamento, situações que retiraram vida às nossas escolas.

Num contexto muito turbulento, para Carlos Louro estes quatro anos acabaram por revelar, “a quem não conhecia, a competência, qualidade e compromisso dos profissionais do nosso Agrupamento, a capacidade e compromisso da autarquia e de outras instituições para connosco e que traduziram, com o período pandémico, a validade do nosso projeto e ideia de saúde (bem-estar físico, emocional e social)”.

Noutro âmbito, realçou “a contínua melhoria dos resultados académicos” (taxas de transição e de conclusão de ano e evolução de desempenhos nas avaliações externas) e recordou projetos que tiveram relevo nacional e internacional, a celebração de Diogo Bernardes, Frei Agostinho da Cruz e Fernão de Magalhães e ainda a certificação da qualidade da oferta profissional.

 

Uma Escola de excelência, humanista e inovadora

Mais, porém, do que olhar para o passado, Carlos Louro focou-se no futuro e na linha estratégica que tem seguido e a que pretende dar continuidade, com a colaboração de todos!

Agradecendo a honra de ter podido contar com o compromisso e o empenho das comunidades escolar e educativa, sublinhou a importância de, em Ponte da Barca, se continuar a enfrentar “as adversidades como desafios e se optar por ensinar, fazer aprender, moralizar, construir, edificar um trabalho para além do óbvio”.

Neste âmbito, defendeu a aposta na excelência, de tal modo que o Agrupamento se afirme, cada vez mais, como uma referência, e isto porque – explicou – “Ponte da Barca, num quadro de depressão demográfica e com um contexto socioeconómico que tende a puxar para baixo, precisa de escolas e profissionais de educação com projetos audazes e mobilizadores de mais e melhores futuros. Mais radiosos!”.

Carlos Louro expressou, então, num belo registo emotivo, profundamente humanista e pedagogicamente inovador, “aquilo que gostava que acontecesse nestes quatro anos que vamos começar a trilhar conjuntamente”, tendo em vista a educação dos “nossos jovens para o conhecimento e para a cidadania”.

“Gostava que o espanto fosse a chave que abre a porta do conhecimento! Gostava que a escola fosse aquele espaço mágico para guardar a memória do mundo e falar do futuro. Dos sonhos. De construção dum mundo novo! Gostava que, nessa escola, a nossa Escola, os professores fossem, de novo, gente de alma cheia. E que enchessem a dos alunos! E que os dias fossem vividos próximos uns dos outros e não a correr, nem para os publicitar nas redes sociais!”.

Em termos mais operacionais, referiu a aposta na implementação de um serviço público de educação que prepare os jovens para o pleno exercício da cidadania, promova o sucesso e acrescente valor aos seus alunos, preparando-os para o prosseguimento de estudos superiores.

A atenção às dinâmicas adequadas ao acompanhamento da evolução da sociedade através de uma oferta educativa e formativa capaz de responder às expetativas de alunos e famílias, a continuidade do trabalho de manutenção, beneficiação e renovação dos equipamentos e das instalações escolares e a manutenção de boas práticas de transparência e prestação de contas foram outros compromissos elencados.

 

Continuidade da equipa

A terminar, Carlos Louro agradeceu a todos quantos colaboraram com ele no último mandato, porque “sinto que todos fizeram parte da minha equipa e me honraram com a vossa colaboração, empenho e compromisso”.

Um agradecimento especial foi, entretanto, dirigido aos elementos que o acompanharam na liderança e gestão do Agrupamento, equipa que, segundo anunciou, se vai manter neste novo mandato: o Subdiretor Manuel Soares Alves e os Adjuntos Sílvia Barbosa, José Pontes e António Guerra.

Recorde-se que, desde 1995, Carlos Louro é o dirigente máximo, primeiro, da Escola Secundária e, depois, do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca.

 


 

(C) 2012-2021, Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca