O Sonho comanda a Vida

Sexta, 18 janeiro 2019

O Sonho comanda a Vida

Os alunos do 12.º ano, turmas A e B, lançaram mãos à obra e trataram de exercitar a expressão escrita.

Sob a orientação da professora Laura Rodrigues, docente de Português, deram largas à sua criatividade, produzindo um texto sobre a importância do sonho na vida do ser humano ou, se preferirmos, sobre o valor da “loucura” na história das nossas vidas e no progresso da Humanidade.

Partilhamos seis dos trabalhos…

 

O sonho... é uma planta?

Vivo, diariamente, a questionar-me qual é o meu verdadeiro sonho, o que me pode fazer voar mais alto e no que realmente sou apaixonada.

Creio que sonhar faz, naturalmente, parte de nós e ter vontade de arriscar e de viver com mais cor é, sem dúvida, algo indispensável à nossa existência. Todos os caminhos precisam de uma motivação, de um trajeto, de um sonho.

Por coincidência, comecei a ler um livro que me ofereceram este Natal – "Trate a Vida Por Tu", de Daniel Sá Nogueira, um livro motivacional que, eventualmente, explica como cada um de nós pode chegar ao que sempre ou nunca sonhou, de maneiras mais ou menos "loucas" dependendo de cada um, porque cada ser humano é singular e especial.

Eu, como tantos outros jovens, idealizo o meu futuro e intriga-me pensar em como será. O sonho não me indica onde eu chegarei, mas é, claramente, a minha força impulsionadora para chegar cada vez mais alto, é uma aventura por um deserto desconhecido em busca de algo que nos parece platónico.

Finalizando, o sonho é uma planta que deve ser regada todos os dias para que cresça. Assim, cultivamos a nossa esperança, o nosso sentido de vida e o que nos faz, realmente, despertar depois de infelizes derrotas e melancolias.

Ariadna da Silva Araújo

 

O sonho é o comando da vida. É a partir do sonho que criamos objetivos e lutamos dia a dia para os realizar.

Fernando Pessoa, num dos seus poemas, diz “Deus quer, o homem sonha, a obra nasce”. Na minha opinião, não há maneira mais simples e fácil de descrever a importância do sonho na vida de qualquer pessoa.

Ao longo do percurso escolar, todos nós estabelecemos metas. Essas metas são criadas por nós próprios, tendo em conta um objetivo, um sonho, que para alguns passa por entrar na universidade e tirar um curso superior.

Também no passado foi o sonho e a “loucura” que fizeram de Portugal aquilo que é hoje. Não me refiro só aos Descobrimentos que foram, sem dúvida, o maior feito dos Portugueses, mas foi graças ao sonho de conquistar a liberdade que, no dia 25 de abril de 1974, muitos patriotas, com a sua ”loucura”, saíram à rua e lutaram. É por isso que Portugal é um país tal como hoje o conhecemos.

Em suma, se não fosse o sonho, o que é que guiaria a nossa vida? Como é que estabeleceríamos objetivos se não tivéssemos a “loucura” de sonhar?

Armanda Cerqueira

 

Opiniões Reprimidas de um Pombo:

O Homem é doido. Nunca vi espécie alguma a cometer tamanhas loucuras como só ele o faz. Ora agora quer isto, ora agora quer aquilo, quando dá por ela já está metido numa encruzilhada sem saída ou tem a cabeça a prémio.

Olhem só aquelas criaturas que se foram sujeitar aos perigos do mar só porque teimaram que havia mais mundo… E o outro indivíduo? Aquele que pôs em causa todas as crenças sociais e religiosas (ou lá como se diz) só porque lhe deu para construir um telescópio? Louco! Mas o pior de tudo isto foram aqueles dois irmãos que decidiram que era possível uma pessoa voar! Se fizessem o que lhes compete! O Homem é um ser da terra, as sardinhas do mar e nós, somente nós, pertencemos aos céus. Intrometidos.

Eu já vi muito ser estúpido, mas não há espécie que lhe pare o pistão tantas vezes como a esta.

Para ser franco, sinto pena deles. Não conseguem dar prioridade às coisas verdadeiramente importantes: garantir a continuação da espécie, procurar um bom sítio para o ninho, fugir dos cães no parque… Enfim.

Carolina Fernandes

 

A importância da “loucura” na vida do ser humano

O ser humano tem evoluído ao longo do tempo. E essa evolução só é possível graças à “loucura”, sendo o sonho e o desejo o que nos torna suscetíveis à mesma.

Sonho e desejo, ambos imateriais, mas com a capacidade de mudar o real e fazê-lo por vezes parecer surreal. Estes, de acordo com a minha opinião, são conceitos benéficos, pois permitem a criação, a inovação e idealizam o progresso. Encontramos um bom exemplo na Guerra de Troia, onde os Gregos utilizaram o cavalo que permitiu enganar os troianos, fingindo a derrota. Essa ideia surgiu devido ao desejo de vitória e ao sonho de conquista.

Por vezes, a “loucura” é mais ousada e demonstra a sua força nos momentos mais críticos. O golo final de Éder que permitiu a Portugal ganhar o Euro2016 é um bom exemplo disso. Naquele momento, todos os Portugueses que derramavam lágrimas, os jogadores que vertiam suor, todos compartilharam da mesma “loucura”. Não havia o termo os Portugueses, pois éramos um só, éramos Portugal.

Finalizo, dizendo, apenas, que são estas qualidades que definem o ser humano e que, apesar de não podermos vê-las, podemos ver os seus efeitos. São várias as possibilidades e as portas que podemos abrir, quando estamos sob a influência da “loucura”.

Duarte Gomes

 

Os sonhos

Acerca dos sonhos, o que dizer? A meu ver, e na perspetiva de tantos outros, o sonho é a nossa maior esperança e, como tão bem sabemos, o sonho comanda a vida, ora positiva ora negativamente. As nossas ânsias têm a capacidade de alterar os nossos comportamentos e conceções de vida.

Por um lado, uma vida sem sonhos equivale a uma casa sem janelas, uma biblioteca sem livros. Vivemos para o sonho e em função dele, numa busca incessante de sentido para a nossa caminhada no mundo. Refiro, a título de exemplo, o quanto lutamos e nos dedicamos para construir um futuro tão bom ou até muito melhor do que aquele que é idealizado, por exemplo, no que diz respeito à profissão. Não nos poupamos, para isso, a esforços, dominados pela expectativa de transformar o sonhado em realizado, pois não há nada de mais gratificante.

Por outro lado, tendemos, por vezes, a elevar demasiado a fasquia das nossas ambições, sem olhar a meios para atingir os fins, ignorando que, para tal, sacrifiquemos os nossos pais e amigos, em particular, e todos os que nos rodeiam, em geral. A propósito, evoco tantos políticos que, sequiosos do poder, desrespeitam os cidadãos e os seus direitos, perseguindo aqueles que se opõem aos seus ideais e convicções, denunciando a hipocrisia das palavras que proferem e revelando o lado obscuro dos desejos.

Em suma, afirmo, convictamente, que o sonho é o meio de construção e realização pessoal e social do Homem, alicerce do futuro e, simultaneamente, um caminho que se não for traçado com moderação e confiança pode desencadear frustração, descontentamento e abatimento, sentimentos que em nada enriquecem. Lutemos, então, incessante e cuidadosamente pelas nossas aspirações e, consequentemente, por um mundo onde é bom viver!

Inês Barbosa Costa

 

“(…) só me interessam os doidos, doidos por viver, por falar, desejosos de tudo, que nunca bocejam nem dizem nada banal…, mas que ardem, ardem como fogos de artifício riscando a noite.”

Por mais que tentemos algo de original, haverá sempre alguém que já o conseguiu com maior mestria (geralmente, um asiático). Por este motivo, convoquei as palavras de Kerouac, escritor a tempo parcial, sonhador a tempo inteiro.

A realidade é limitada para o indivíduo de que vos falarei. Na sua cabeça, concebe um universo onde se refugia, provando, mediante uma demonstração nada matemática, que certos infinitos são maiores que outros. Estamos perante o louco, o sonhador, o que potencia uma boa risada ao verbalizar, num tom grave e convicto, as idiotices pelas quais se rege. E é trespassado por olhares condenadores, mas permanece ileso. Reergue-se mais forte. Será ele uma praga? Com certeza. O sonho é uma epidemia que se alastra, por mais que nos administrem vacinas contra tal. E é este parasita que impele a raça humana em frente!

Em frente, não… Para cima, para os lados, para diagonais e curvas sinusoidais inimagináveis, rompendo com gráficos unidimensionais, aspirando a uma segunda, terceira, quarta, infinitas dimensões!

Num exercício meramente hipotético, se pregássemos a um quadrado a existência de um cubo, ele diria que somos doidos. Às vezes, é urgente elevarmo-nos, criando um eixo z, num mundo de pessoas quadradas.

De génio para louco, há uma fronteira intermitente.

Ousemos balouçar na corda bamba…

Sara Arezes

 


 

(C) 2012-2019, Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca