Ser Português é…

Imprimir
Terça, 02 outubro 2018 Escrito por jrocha

Ser Português é…

Numa das primeiras aulas de Português do presente ano letivo, dedicada a uma oficina de escrita, os alunos das turmas A e B, do 12.º ano, foram desafiados a exprimir a sua opinião sobre Portugal e os portugueses.

Denunciando uma acentuada capacidade crítica ou até um notável sentido de humor dos seus autores, eis alguns trabalhos que evidenciam as qualidades, mas também os defeitos que caraterizam o povo lusitano.

Professora Laura Rodrigues

 

Ser português é…

Ser português é carregar em si uma nação repleta de história e conhecimento, é ter nas veias o sangue e a coragem dos mais audazes, é tradição e admiração.

Ser português é orgulhar-se da sua história e das suas origens, é sofrer com as derrotas e vibrar com as conquistas. É apoiar o nosso povo em qualquer lado e em qualquer circunstância.

Um bom português aprecia um bom copo de vinho e um prato cheio de comida. Aprecia desde as tripas ao bacalhau, do verde ao maduro. Dança o folclore ao toque de uma concertina e canta o fado ao som de uma guitarra. Um bom portugês sabe sofrer e continua a lutar. Encontra paz, ao som do rebentar das ondas do mar que outrora tanta dor o fez passar.

Português é aquele que sai levando consigo o seu país e contando em um dia regressar. É aquele que acolhe os povos que nos visitam como se fossem da família. Ser português é ajudar.

Mas ser português é muito mais que isto, é união e amizade, é muita comida e bebida, é futebol, é música, ser português é tanta coisa. Mas acima de tudo e de qualquer outra coisa, ser português é orgulhar-se deste pequeno e belo país à beira mar plantado.

Maria Armanda Cerqueira, 12º A
Mariana Leitão, 12º A

 

 

Ser português é…

No ano de 1179, por meio da Bula “Manifestis Probatum”, documento redigido pela Sede Papal do Vaticano, o equivalente à atual Organização Mundial de Saúde, foi finalmente reconhecido pela comunidade internacional o transtorno psico-fisiológico-social que hoje em dia afeta mais de onze milhões de pessoas: “ser português”.

A epidemia foi contraída pelo paciente zero, D. Afonso Henriques, que se autodiagnosticara em 1143, e alastrou-se ao longo de quase um milénio, chegando mesmo a atravessar continentes.

Sintomas de que poderá “ser português”: o doente revela uma tendência sistemática para não cumprir horários, usando expressões como “lá para as onze e pico…” ou “às duas e tal…”; o paciente demonstra um total desrespeito para com o sistema de tributação fiscal vigente, através de atitudes como fuga aos impostos e não passar fatura; o típico português é impelido a comer arroz em toda e qualquer refeição (inclusive sobremesas), ignorando a importância de outros hidratos; o infetado começa a demonstrar memória curta, elegendo líderes demagogos e irresponsáveis, cujas ações visam a satisfação do povo, a curto-prazo, sem salvaguardar o futuro; a infeção do vírus lusitano resulta ainda no perpétuo descontentamento para com a pátria, mas paradoxal amor à nação, olhando os tempos idos com nostalgia e saudade.

Ainda não existe cura definitiva, mas o tratamento mais recomendado pela Comunidade Europeia é emigrar para a França. Um dos efeitos secundários deste procedimento é a “azeitice”, que consiste na utilização constante de terços, fieiras de ouro e camisolas da Seleção Portuguesa de Futebol.

Isto é ser português…

João Sousa, 12.º A
Sara Arezes, 12.º A

 

 

Ser português é…

Ser português é um fardo, é carregar uma grandiosa história aos ombros, é ter a correr nas veias o sangue de um lutador.

Portugal fora outrora dos maiores países do mundo, um país com um povo ambicioso, que levou a nação a novas conquistas e à evolução. Ser descendente destes bravos homens desperta em cada um de nós uma necessidade constante de corresponder às expectativas passadas, desperta uma vontade de ser mais, de ajudar o mundo a evoluir em nome de Portugal.

A aventura que nos vai no sangue leva-nos a partir para o desconhecido sempre que o desejo de alcançar novos horizontes fala mais alto. Somos um povo capaz e talentoso, com grandes nomes em diversas áreas, desde o Ronaldo, no futebol, até Pessoa e Saramago, na literatura.

Somos uma nação rica em cultura, “nunca lhes faltando amabilidade e vontade de ajudar o próximo”, dizem os estrangeiros. Detemos a chama da revolução. Somos uns patriotas desmedidos, de alma grande e mão ao peito.

Ser português é procrastinar, é comer bem e preservar as tradições. Ser português é ser campeão europeu. Ser português é ser um campeão no mundo.

Carolina Fernandes, 12.º B
Cristiana Tenente, 12.º B

 

 

Ser português é…

Enquanto jovens cidadãs de um país tão diminuto, mas com tanto para oferecer, torna-se imperativo valorizar e, consequentemente, dar a conhecer aquilo que Portugal tem de melhor. Porque, afinal de contas, ser português é ter coragem, ambição, dedicação, espírito de aventura, amor à pátria, amor ao mundo.

Desde os tempos remotos que os portugueses se têm afirmado como seres inigualáveis, desde sempre que alcançam inúmeros e grandiosos feitos. Como prova disso, não podemos ficar indiferentes à época que se revelou como o auge do povo lusitano, os Descobrimentos, momento no qual se deram novos mundos ao mundo, no qual se enfrentaram todos e quaisquer obstáculos, o que permitiu um enriquecimento tanto a nível pessoal, para os nossos marinheiros, como económico e cultural para o país. Relembrar o passado é relembrar não só o auge como também os momentos mais difíceis e daí destacar a bravura, a união e a luta pela liberdade, pelos direitos de Portugal, pondo sempre em prática o lema “O povo unido jamais será vencido”.

E que bom é ser português neste tempo presente. E porquê? Porque continuamos a desempenhar um papel crucial. Somos os melhores nos mais variados domínios. Joana Vasconcelos na arte plástica, Cristiano Ronaldo no futebol, António Guterres e Marcelo na política, Salvador Sobral na música, por aí adiante…

Enfim, desde sempre e para sempre que é um orgulho pertencer a esta nação, porque ser português é honrar o passado, trabalhar e viver o presente e procurar melhorar o futuro!

Inês Costa, 12º B
Joana Ferreira, 12º B

 


 

Powered by Best internet security
(C) 2012-2018, Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca